quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

LITURGIA MUSICAL

Ouvem-se muitas pessoas dizerem que gostam de ouvir música! Inegavelmente,  a música tem um imensurável poder de enlevar, de transportar o espírito de torná-lo leve e assim quase a alcançar o êxtase. Poucas vezes a oitiva primeira de uma música me absorve. Do mesmo modo, letra de música em língua que não domino dificilmente me coloca no estado que descrevi. Uma das minhas canções preferidas é o tema do filme “Suplício de uma saudade”: É tão sublime o amor, (Love is many splendored thing).Por ter assistido o filme e conhecer a letra, quando ouço a música, simplesmente mergulho no âmago da beleza e vou fundo. Acresce-se que são encontradas orquestrações de diversos ritmos, ainda que haja um muito melhor, ou seja, aquele que soa no filme.Definitivamente, em significativa proporção, as composições hodiernas são verdadeiras bobagens, sem início, sem meio, nem fim, frases desconexas, ritmos alucinantes e pouco ou nenhum valor emocional de verdade. Ao contrário, ouça-se a orquestra de Ray Conniff. Cada acorde é estupendo. Percebo cada um individualmente. E para não se dizer que falo de clássicos, revelo que o mesmo acontece com as baterias de Escolas de Samba, o conjunto é espetacular, há nuances que precisa saber perceber, o som do tamborim, da cuíca... Só assim, saboreia-se a plenitude. Quem sabe de mim, sabe também que gosto muito, muito mesmo, da música popular brasileira. Como se pode não gostar de ouvir e cantar: “Deixa a vida me levar, vida leva eu...”. Ou “das lembranças que eu trago na vida, você é a saudade que gosto de ter” (Isolda); “Viver e não ter a vergonha de ser feliz” (Gonzaguinha).  Ou nada menos que todas as composições de Adoniran Barbosa, incrível leitor do cotidiano que conseguiu levar para a música e para o verso o sabor do que mais belo há nessa vida: as circunstâncias, sentimentos e tudo que envolve caminhantes dos dias, todas as pessoas e principalmente os que se incluem entre os economicamente fracos. A música tem também uma missão, falar da cultura, contar a vida, transmitir mensagem, para que quem vier depois tenha como saber o que pensavam, como agiam, como faziam o que faziam seus ancestrais.Há definições: “a música (do grego μουσική τέχνη - musiké téchne, a arte das musas) é uma forma de arte que constitui-se basicamente em combinar sons e silêncio seguindo ou não uma pré-organização ao longo do tempo”; é também: “arte que consiste em combinar sons de forma harmoniosa”.Aceito os dois conceitos como forma inicial de penetrar o significado, tanto quanto ouso dizer que são incompletos, nunca soube que sentimentos imensos, abissais, possam ser definidos. Quem mergulha na música não pára para definir, não tem como e quando volta ao seu natural não encontra palavras.Bem pensando ao se ouvir uma música, que nos penetra e nos enleva, celebramos sentimentos e para isso há toda uma liturgia a comandar esse ritual.
Marlusse Pestana Daher 1/12/2010 02:00

Nenhum comentário:

Postar um comentário